domingo, 15 de março de 2009

Ela é Lei


2 comentários:

zigoto disse...

Por mais que inventem rolhas, censuras, ditaduras, intimidações e atrocidades:

(Não há machado que corte
a raíz ao pensamento) [bis]
(não há morte para o vento
não há morte) [bis]

Se ao morrer o coração
morresse a luz que lhe é querida
sem razão seria a vida
sem razão

Nada apaga a luz que vive
num amor num pensamento
porque é livre como o vento
porque é livre

Blimunda disse...

O sempre actual poema de Carlos Oliveira (cantado há já longos anos por Manuel Freire), aqui citado pelo Zigoto, vem complementar exemplarmente a bela foto postada pelo Camiller.