sexta-feira, 20 de março de 2009

Por respeito aos nossos leitores

O Cacimbo nunca teve, nem tem, necessidade de publicar aquilo a que chamam o "estatuto editorial". Pela simples razão de todos sabermos o que significam actualmente "estatutos", quaisquer e por mais respeitáveis que já hajam sido.

Desde os estatutos editoriais que era norma publicar no primeiro número de qualquer jornal... (para quem desconhece essa realidade, basta ir à Hemeroteca e consultar para constatarem do que falo).
Mas não-só: se, por exemplo, lerem os "estatutos" dos partidos políticos em que votam, hão-de reparar que nada têm a ver com os respectivos programas eleitorais e muito menos com o programa de governo que submetem a aprovação na Assembleia da República, o orçamento de Estado que aprovam, a forma como governam, etc.

A comparação só é feita porque, afinal, a blogosfera é um meio de comunicação social a que até os mais prestigiados jornais recorrem para conseguirem sobreviver e manterem leitores.

Desde a nossa primeira edição, nunca tivemos necessidade de "proclamar" o nosso estatuto editorial.

Supomos que também todos os nossos leitores perceberam quem somos, o que queremos e ao que viemos, vimos e vamos.

À medida em que fomos tendo a vossa aceitação, tivemos a satisfação de publicar estas notas editoriais:

Nota editorial (5)

O postal que me senti obrigado a publicar antes deste, significa que ainda há quem não tenha percebido, ou aceite, o seguinte:

Este blogue nasceu, cresceu e vive apartidário. Mas não é neutro. Também não perfilha qualquer credo religioso.

O Cacimbo é um blogue de cidadãos da República Portuguesa que respeitam, usam e defendem as Liberdades, Direitos e Garantias que a Constituição lhes garante.

Como respeitam e lutam pelos Direitos Humanos, o Direito Internacional, a Paz, a Justiça, a Liberdade, e a Justiça Social.
Custe a quem custar, nunca hesitaremos em denunciar e lutar contra todos e quaisquer os que violem os princípios básicos a que a Humanidade tem direito, sejam eles quem forem.

Não desafiamos quem quer que seja, mas também não tememos quem nos afronte.


1 comentário:

Umaloira disse...

Caro Zigoto
Concordo consigo na determinação de continuar com a linha que escolheu para o seu blogue. É realmente apartidário, não neutro, sem credo religioso mas aqui e ali por vezes salpicado de algum humor...às vezes sem grande sentido, mas que aligeira o blogue. Veja-se o caso do comentário por si postado, recebido por email do seu camarada de armas. É puro humor!
Até a rainha Rania, sendo mulher e loira e logo pouco pensadora - como os machistas julgam - vai mais longe sobre o que se passa em África e a forma de se contribuir para combater a fome, a miséria e as doenças endémicas que lamentavelmente dizimam a população daquele continente, como é o caso da sida.