sexta-feira, 20 de março de 2009

Já há galos a cantar na capoeira


«Vão mais é chatear o Sócrates»

Freeport: um dos envolvidos no processo fala no nome do primeiro-ministro em escuta

José Sócrates foi associado, em 2005, a um recebimento ilícito de 500 mil contos para que licenciasse o Freeport, segundo afirmou um alto responsável do ministério do Ambiente, numa escuta telefónica a que foi sujeito pelas autoridades.

Em Fevereiro de 2005, o gabinete do director da Reserva Natural do Estuário do Tejo, José Manuel Marques, foi alvo de buscas da Polícia Judiciária. Sem saber que estava com o telefone sob escuta, por ordem da Juíza de instrução do processo Freeport, José Manuel Marques ditou para o processo um indício de crime contra o primeiro-ministro.

José Manuel Marques, logo a seguir a José Sócrates, é para a polícia inglesa o segundo suspeito de ter recebido, solicitado ou facilitado pagamentos corruptos para autorizar a construção do Freeport em plena reserva natural, que de resto, continua a dirigir.

In Portugal Diário

A verdade é como o azeite na água: acaba por vir sempre ao de cima.

2 comentários:

Pau de marmeleiro disse...

Mas a galinha dos ovos de ouro lá continua a pô-los na capoeira...
E, a chave, continua nas mãos dos mesmos. Ou seja: PS/PPD/PSD/CDS/PP.
Para o cidadão contribuinte sobra milho!

Tia Lili disse...

O Zigoto já necessita de lentes novas!?
Para muito cidadão contribuinte já não sobra milho mas sim farelo que é aquela coisa que sobra do milho e já nem as galinhas comem.